×

Busca

(10) registro(s) encontrado(s) para a busca: Personagens de Feira
Personagens de Feira / 07 de agosto de 2020 - 17H 00m

PERSONAGENS DE FEIRA: Conheça a história do maior incentivador da astronomia em Feira

PERSONAGENS DE FEIRA: Conheça a história do maior incentivador da astronomia em Feira
(Foto: Arquivo Pessoal)

Por João Guilherme Dias
e-mail: [email protected]

Você sabe como o Observatório Antares foi criado? Sabia que o seu idealizador também ajudou a fundar o Museu Parque do Saber? E que essa mesma pessoa já foi à NASA e até à Antártida? E que ele é um feirense? Pois é, a história que a gente vai conhecer nessa semana na série de reportagens do Blog do Velame sobre personagens de Feira de Santana, é de Augusto Cezar Pinheiro Orrico, nascido em 1952. Falando em história, esse feirense tem é história pra contar.

A sua infância e adolescência foi tranquila, estudou no Colégio Santanópolis, se formou em Matemática na Universidade Estadual de Feira de Santana, mas queria mesmo era estudar Física, para depois, conseguir eliminar algumas disciplinas no tão sonhado curso de Astronomia. “Mas, a UEFS ainda não ofertava esse curso. Física só veio aparecer uns 20 anos após matemática, então, foi o curso mais ligado a minha área”, conta.

Mesmo com as dificuldades naturais de quem vive em uma cidade do interior, o sonho de Cezar de trabalhar com Astronomia jamais foi deixado de lado. O sonho começou a virar realidade quando ele criou uma Fundação para arrecadar recursos para a construção do Observatório Astronômico Antares. Deu tudo certo e em setembro de 1971, o equipamento foi inaugurado. O feirense explica que contou com doações de muitas pessoas – durante a entrevista  Cezar não se arriscou a citar nominalmente cada colaborador, pra não esquecer de ninguém, mas ressaltou que “as pessoas deram muito de si”.

Observatório Astronômico Antares (Foto: Arquivo Pessoal)

A jornada para a construção do Observatório Antares não foi nada fácil, Orrico e outros entusiastas bateram em diversas portas de empresários de Feira de Santana pra tentar algum apoio na construção. “Nós passamos 22, 23 anos pra chegar ao ponto que ele chegou, foi um processo muito lento”. Em março de 1992, o Observatório foi doado para a Universidade Estadual de Feira de Santana. Esse era o desejo de Cezar, construir o equipamento e cedê-lo à UEFS. “O interesse era observar as estrelas muito mais próximas, através do telescópio e compreender o universo”, revela.

Entretanto, Orrico ainda não estava satisfeito. Ele foi além e idealizou o Museu Parque do Saber. Construído pela Prefeitura de Feira de Santana e inaugurado em 2008,  o equipamento conta com um dos planetários mais avançados do mundo e o primeiro a ser instalado na América do Sul.

Para um apaixonado por astronomia, a NASA é o paraíso. E ele já perdeu as contas de quantas vezes esteve por lá. “Quatro ou cinco vezes”, diz.  Na primeira vez, foi convidado por um funcionário brasileiro para visitar o local. A visita rendeu tanto, que o feirense chegou a ver Neil Armstrong – o primeiro homem a pisar na Lua. “Não cheguei a cumprimentá-lo porque estava com capacete e em treinamento, mas o vi sim, conheci muitos astronautas e funcionários de alto escalão”, revela Cezar.

(Foto: Arquivo Pessoal)

O feirense já morou nos Estados Unidos, passou pela Europa, foi na China e até em Dubai. “Andei meio mundo para me inteirar, descobrir como tudo funcionava”.

Por duas vezes, o feirense foi à Antártida, em uma dessas viagens ao continente gelado, foi convidado por um cosmonauta russo para visitar as instalações do país. “Eu aceitei, e fui, na primeira vez pela Marinha e na segunda com a FAB”.

O feirense na Antártida (Foto: Arquivo Pessoal)

Orrico além de diretor do Observatório, fundou a antiga rádio Antares FM, foi presidente da Fundação Egberto Costa e trabalhou na Superintendência de Estudos Econômicos. Ao ser questionado sobre o seu sentimento ao ver o que o Observatório Antares representa hoje para a astronomia baiana, Cezar se emocionou. “A minha passagem pela terra não foi inútil, eu plantei uma semente”. Obrigado pelo seu entusiamo com a Astronomia, Cezar. Feira agradece!

 

Personagens de Feira / 31 de julho de 2020 - 16H 04m

PERSONAGENS DE FEIRA: O feirense da seleção brasileira que virou a voz do Joia da Princesa

PERSONAGENS DE FEIRA: O feirense da seleção brasileira que virou a voz do Joia da Princesa
(Facebook/Arquivo Pessoal)

Por João Guilherme Dias
e-mail: [email protected]

O nome dele é Kleber Costa Vitória, mas, ele é bem mais conhecido como Klebão. Nascido no ano de 1961, esse feirense tem muita história pra contar. Viajou o mundo jogando basquete, virou a voz do estádio Joia da Princesa, deu aula de recreação, foi treinador e DJ. Nesta semana, na série de reportagens do Blog do Velame sobre personagens de Feira de Santana vamos conhecer mais sobre a história desse craque da vida.

A sua infância foi tranquila, sempre muito ligado em esportes. Aos 13 anos ostentava seus 1m81cm de altura pelas ruas de Feira quando chamou a atenção de um treinador de basquete. “Menino, você quer jogar basquete?”.  Assim começou sua história jogando pelo Feira Tênis Clube.

Um ano depois, e já com mais de dois metros de altura, o promissor jogador feirense estava em São Paulo, jogando na equipe do Corinthians. Ao longo da carreira, Klebão jogou em clubes da Bahia, São Paulo e Pará. Além disso, disputou partidas em países como, Estados Unidos, Argentina, Kuwait, Equador e orgulhou Feira ao ser convocado para as seleções brasileira juvenil, adulta e master. Foi vice-campeão mundial juvenil representando o Brasil.

Mundial Master, Orlando/EUA (Arquivo Pessoal)

Depois de longos anos fora de sua cidade natal, Klebão voltou para Feira. Parou com o basquete profissional, mas não abandonou os estádios. Quem frequenta o Joia da Princesa certamente já teve ter escutado o famoso bordão, ‘segura galera’. Klebão é o novo da voz do serviço de auto-falante do estádio. “A Voz da Princesa foi fundada pelo meu pai, Antônio Alves Vitória. Com o falecimento dele assumi o lugar, o ‘segura galera’ é para entre uma publicidade e outra chamar atenção do torcedor. Costumo falar também ‘segura que quero ver’ e ‘tem gol’, tudo isso surgiu naturalmente”, conta.

Há alguns anos, o eclético Klebão virou o cobiçado DJ Klebão. “Sempre joguei basquete, depois comecei a fazer eventos completos não só com DJ, mas também fazendo a festa completa”, revela. Sobre o período de paralisação nas suas atividades profissionais por conta da pandemia, o DJ afirma que tem tentado se reinventar e ressalta que o segmento deve ser um dos últimos a retornar.

(Arquivo Pessoal/Facebook)

Klebão é um personagem de Feira. Atleta, artista, apaixonado pela Princesa do Sertão. Conheceu o mundo, mas Feira é o seu lugar. “Sentia muita saudade nos anos que passei fora da cidade. O que mais gosto em Feira é o centro, porque se encontra tudo por lá”.  O que mudaria em Feira? “A valorização do esporte em todas as categorias com competições promovidas pelos poderes públicos”. Obrigado, Klebão.

Personagens de Feira / 24 de julho de 2020 - 09H 57m

PERSONAGENS DE FEIRA: A digital influencer que tem conquistado os jovens feirenses

Por João Guilherme Dias
e-mail: [email protected]

Para ela, lembrar do passado – que nem é tão distante assim – é ver que tudo valeu a pena. Ela? Júlia Mel Sena Lopes de Santana ou simplesmente Júlia Mel, uma digital influencer feirense de 18 anos, que já conta com quase 13 mil seguidores no Instagram.

Julia estreia uma série de reportagens do Blog do Velame com o tema “personagens de Feira”,  onde a cada semana, um convidado será entrevistado  esclarecendo dúvidas, dando dicas, contribuindo com o seu conhecimento acerca dos temas propostos.

Os influenciadores são um fenômeno na internet porque tem capacidade de lançar tendências, mudar opiniões e comportamentos. A influenciadora feirense faz parte de um grupo chamado de microinfluenciadores, que são os influenciadores digitais que têm entre 10 mil e 100 mil seguidores em seus canais ou redes sociais.

A feirense começou nas redes sociais bem cedo, aos 13 anos já tinha um blog com algumas amigas, era só uma brincadeira, mas hoje, as redes sociais de Júlia viraram coisa séria, e Instagram ela já conta com muitos fãs. No perfil, Júlia produz conteúdo sobre moda, maquiagem, beleza e dá dicas de séries e filmes. Ela conta que tenta diversificar ao máximo as coisas que diariamente posta. “Eu tento manter uma plataforma bem diversa pra agradar vários públicos e de diferentes idades”.

Estudante de direito da UEFS, ela ainda não vive exclusivamente do que posta. “Eu moro com meus pais ainda, porém as minhas despesas pessoais sou eu que arco. Estou deixando as coisas acontecerem.  Vou para faculdade de direito, estou aguardando a Uefs voltar, pretendo no futuro conciliar as duas áreas”, contou.

Julia acredita que o caminho para se tornar uma influencer com sucesso financeiro é lento. “E é aquela coisa não é da noite por dia que você vai conseguir uma renda “perfeita”, é uma caminhada bem lenta pra isso”. Para ela, os amigos e seguidores são parte importante desse processo.  “É uma rede de apoio muito significante, eles são simplesmente incríveis”, explica a ruiva.

Durante a entrevista, Júlia se mostrou muito agradecida a quem separa um tempo pra consumir o conteúdo que ela produz. “A maioria do meu público está entre os jovens, eles são bem fiéis, uma galera que dá muita opinião, eu faço conteúdo pensado no que eles querem ver, não tenho o que reclamar dos meus seguidores”, comemora.

Reinventar. Com essa palavra, é possível descrever o perfil de Júlia Mel no Instagram durante a pandemia do novo coronavírus, a feirense conta que com mais tempo livre, ela conseguiu colocar em prática algumas mudanças que ela pretendia realizar em suas redes sociais. Júlia ressalta que tem estudado bastante para apresentar um conteúdo de qualidade, passou a produzir vídeos e, claro, deu aquela organizada no feed.

View this post on Instagram

[segue o texto cheio de emoção do dia que virou e eu quase morro, obrigadaaaaa lindosss❤️] Hoje é um dia muito louco, eu to sentindo uma sensação tão estranha, um que de felicidade, dever cumprido, um aviso de Deus que tá só comecando… Mas ao mesmo tempo medo: de quebrar a cara, de decepcionar, de não ser isso. Hoje eu analiso e vejo o quanto que Deus é perfeito em todos os detalhes, ele prepara tudo de uma forma tão deslumbrante, que eu nunca poderia imaginar. Eu realmente não sei meu dia de amanhã, n sei como vou estar, n sei os planos Dele, mas sei que tem algo grandioso pela frente, talvez em outro sentido tb, porém ,independente, Ele tá aqui comigo e tem um plano. Não são 10mil seguidores, são conexões, sonhos, dedicação… se falam tanto da minha luz tenho certeza que tem um propósito nisso.

A post shared by Júlia Mel (@julia.mel) on

Como o seu público é na maioria jovem, a digital influencer destaca que tem ciência da responsabilidade nos conteúdos compartilhados. “Sei que eu tenho um papel social com 5, 10 ou 100 mil seguidores, eu sei da minha responsabilidade, por isso, tento produzir conteúdo que as pessoas possam levar para a vida toda”, disse.

Sobre o cenário para as “influencers de Feira”, Julia acredita que muitas não são valorizadas como deveriam. “É um cenário bacana, tem muita gente boa que cria conteúdo, mas, eu acho que as pessoas daqui mesmo não dão tanta relevância, sabe? Tem muitas pessoas produzindo conteúdos muito, muito bons. Feira tem muita gente boa, só falta as pessoas conhecerem, buscarem mais, valorizarem mais”.

Apesar de gostar do que faz, ela reconhece desafios. “Por trás dos rostos bonitos e felizes nos stories tem um bastidor bem cansativo, não é só colocar e tirar roupa, tem que ser criativo pra ter ideias diferentes, roteirizar, gravar, editar, na hora de postar tem a preocupação com a estética… são muitas coisas que depois do resultado passa batidos”, revela.

O que Julia mais gosta de em Feira? “Acho que a melhor coisa de Feira é o aconchego, de se juntar com os amigos na casa de um deles, tomar um açaí na São Domingos, sair à noite pra jantar. Feira tem aquele aconchego de interior, mas com um boa infraestrutura. Pra feira ser perfeita só faltou uma praia, seria meu sonho”.

Se você ainda não seguiu, pode acompanhá-la através do seu perfil no Instagram, @julia.mel

Feira de Santana / 07 de março de 2020 - 21H 25m

Conheça a história do cidadão que acompanha todas as sessões da Câmara de Feira

Por João Guilherme Dias

O ano era 1997, o mês era setembro. Nesse período, um dos personagens que no futuro seria um dos mais conhecidos da política feirense, deixou a sua cidade natal, Santanópolis com destino à Feira de Santana pela primeira vez. Dessa data em diante, quem alguma vez já foi até a Câmara de Vereadores de Feira já o viu, quem já participou de algum evento político na cidade já o viu, quem anda pelo Centro de Feira já o viu. Sempre vestido com terno surrado, colares no pescoço, prancheta com a ordem na mão, capacete branco enfeitado com adesivos de partidos e um grande sorriso no rosto. O nome dele de batismo é Manuel Teles Ferreira, mas nas ruas de Feira é conhecido como “Engenheiro” ou “MTF”. Atualmente com 54 anos, MTF já vendeu picolé, sorvete, água mineral e foi pedreiro. Agora, aposentado pelo INSS recebe um salário mínimo por mês e afirma orgulhosamente morar no bairro George Américo. O aposentado gosta de acompanhar a política baiana e conta que já participou de sessões da Assembleia Legislativa da Bahia e da Câmara de Vereadores de Salvador. Questionado sobre o motivo da frequente presença na Casa da Cidadania de Feira ele se disse feliz com o ato de cidadania. “Eu me sinto muito feliz aqui no Plenário Maria Quitéria acompanhando as sessões, junto com a comunidade”, contou a reportagem. Os trabalhos legislativos na Câmara de Feira acontecem às segundas, terças e quartas, começam sempre às 8h30, mas, Manuel disse que sai do bairro George Américo às 6h horas da manhã com destino ao Centro da cidade para, no horário regimental, estar presente na galeria da Câmara. Não falta nenhum dia e vai sempre a pé. “Eu vou e volto a pé, recentemente eu acidentei minha perna, peguei ônibus por uns cinco dias, mas eu não vou pegar coletivo, quem anda em ônibus lotado é sardinha! Eu me sinto muito mais confortável andando a pé do que em coletivo cheio”, desabafou. Além das sessões na Câmara, Manuel não perde nenhum evento político que acontece na cidade. Ele revelou que descobre as datas, horários e locais de eventos políticos que acontecem em Feira de Santana porque é “pirata do rádio”. Ler livros e participar de cultos em igrejas evangélicas são as distrações de MTF quando não está em eventos políticos. MTF revelou ainda ter um sonho. Ele que ir à Brasília. “Visitar o Congresso Nacional, andar pelo Plenário Presidente Juscelino Kubistchek”, disse. O que MTF mais gosta de fazer? “Andar no meio do povo, isso é o que eu gosto”.

Feira de Santana / 04 de dezembro de 2019 - 18H 24m

Jornalista Glauco Wanderley lança livro em Feira de Santana

O jornalista Glauco Wanderley lança na próxima quarta-feira (11), em Feira de Santana, no Seriguela Petiscaria, a partir das 19 horas, o livro de ficção Segredos do Planalto. A obra tem como personagens centrais os membros da família Bonamigo e foi inspirada na eleição de 2018, que levou Jair Bolsonaro ao poder. A trama gira em torno de Jairo, presidente da República em busca da reeleição, e sua filha Valéria, responsável pela comunicação do pai. Focando em mídia digital, conseguiu elegê-lo contra todas as previsões, usando e abusando de fake news. Valéria, porém, guarda um segredo que pode arruinar a credibilidade de Jairo e botar tudo a perder. Um segredo que precisa esconder sobretudo do adversário com quem convive de perto, o candidato a vice-presidente, João Félix. Deputado pelo Rio Grande do Sul e líder religioso, ele também se apresenta como Apóstolo João e afirma ser ex-gay. É o ambicioso fundador da igreja pentecostal Deus é Mais. Como homem forte no primeiro mandato, ele quer consolidar a influência sobre Jairo, enfrentando a resistência de Valéria. O autor conta no prefácio que, apesar da inspiração ter sido a eleição do ano passado, a política é apenas pano de fundo. “A história é sobre as pessoas, suas motivações, ações e as consequências que geram, sobretudo para elas mesmas”, sinaliza. Por mais de 20 anos, o jornalista Glauco Wanderley atuou profissionalmente com muito destaque em diversos veículos de comunicação de Feira de Santana, entre eles TV Subaé, jornais A Tarde, Tribuna Feirense, Feira Hoje e Rádio Subaé. Atualmente, ele reside no Rio de Janeiro, mas mantém fortes laços com Feira.

Cultura / 19 de outubro de 2019 - 05H 29m

Projeto “Feira Tem Teatro” segue com espetáculo sobre Lucas da Feira

O Projeto Feira Tem Teatro recebe na programação deste mês o espetáculo Lucas da Feira: o sujeito antes do mito, do Grupo Recorte de Teatro, a ser realizado nos dias 25 e 26 de outubro, às 20h, no teatro do CUCA. O enredo se baseia na história de uma figura mitológica de Feira de Santana na primeira metade do século XIX, retratando uma cidade colonial e ainda pertencente a Cachoeira. Lucas da Feira, nascido Lucas Evangelista, foi um sujeito que ganhou tanta fama a ponto de chamar atenção da Bahia, do Brasil e ser considerado, por muitos, dono das matas de Feira, Cachoeira e São Gonçalo. O Grupo Recorte de Teatro, formado por atores profissionais de Feira de Santana e indicado ao prêmio Braskem 2019, completa 5 anos e é o responsável por essa montagem. A direção é de Fernando Souza, que também assina o texto. “Sou historiador de formação e também, dramaturgo. Sempre tive vontade de contar a história de Lucas da Feira e o teatro me dá essa oportunidade. Acho que por trás do sujeito, existe muito mais do que a dicotomia do Lucas Herói ou Bandido”. O diretor evidencia que a característica do Grupo Recorte é sempre propor a reflexão e não levantar bandeiras. O grupo que se destacou por trazer em seus trabalhos realismo, pesquisa, humor e crítica social, pretende continuar o trabalho no mesmo viés. Para a atriz Ana Luiza Pinheiro, que interpreta Branca, uma das narradoras da história, “Fazer Lucas da feira é denunciar, falar do que ainda hoje se vê e se sente. É trazer de volta à vida, no palco, a história dessa personalidade feirense. Sentir através da arte essa realidade sofrida, não só dele mas sobre muitas negras e negros que a história não dizia, sobre todos e, principalmente todas, que não tinham voz. E lembrar que essa história também é nossa, porque Feira também é nossa. Porque nós todos somos Lucas da Feira.” Com 15 atores em ação, os bastidores se transformam em um frenesi, tendo eles que se desdobrar em 32 personagens que compõem figuras típicas e personalidades reais presentes na peça. A geografia feirense da época também é retrada, o que pode levar o público a identificar ruas, estradas e locais marcantes da cidade, que é um grande diferencial no espetáculo. No dia 27 (sexta), o evento começa com o lançamento da Editora Nacarona, iniciativa dos professores Juliano Mota e Carl Lima, às 19h, no foyer do teatro do CUCA. Essa ação ocorre juntamente com uma mesa redonda, composta por Igor Gomes e Ione Sousa, doutores em história, com o tema: “Sociedade escravista em Feira de Santana” e é um grande ganho para a diversidade literária da cidade e um excelente incentivo à produção local. O espetáculo, que é forte, vivo e necessário se propõe a desvendar ou entender como um escravo fugido conseguiu tamanha importância. “Quando criança, em Pé de Serra, sertão baiano, no início da década de 1990, ouvia meu tio se referir a Feira como terra de Lucas”, conta o diretor. A atriz Júlia Lorrana completa que “o espetáculo é bastante importante porque além de falar dessa figura que marcou a história da nossa cidade, mostra as circunstâncias em que os negros escravizados viviam e as consequências disso, inclusive até os dias atuais. Escravidão, patriarcado, racismo, embora pareçam assuntos antigos, os quais, para alguns, deveriam ser retratados apenas em livros de histórias, são extremamente atuais, pois temos reflexos dolorosos deles”. A importância deste projeto em Feira vai além, pois, evidencia a arte produzida na cidade. Um projeto que traz a cada mês um espetáculo e a partir dele uma temática é explorada através de um bate papo (sempre às sextas-feiras), além do contato com outras linguagens como a música e a poesia que compõe o Palco aberto, aos sábados. A programação começa sempre às 19h com as atividades extras e o espetáculo sempre apresentado às 20h.

Feira de Santana / 08 de outubro de 2019 - 06H 58m

Novo portal sobre a história de Feira de Santana é lançado na internet

Feira de Santana passou a contar com um veículo de comunicação oficial na internet voltada para o acervo, em vídeos, fotos e documentos, da história do município. Está na rede mundial de computadores o portal Memorial da Feira (memorialdafeira.ba.gov.br).  Apresentada pelo prefeito Colbert Martins Filho a jornalistas locais, trata-se de uma ferramenta bastante interativa. As pessoas tanto podem baixar seus conteúdos, livremente, quanto contribuir fornecendo material, devidamente checado, pela equipe responsável pelo portal. Prédios públicos ou privados antigos, festas populares, momentos históricos no município, personagens importantes dos cenários político, social, cultural, econômico e de outros segmentos, formam a rede de documentários em vídeo e das galerias de fotos que enriquecem o portal. Para o jornalista Marcondes Araújo, coordenador do portal, não há pretensão de ineditismo, muito menos se tornará dispensável a existência de outros projetos que existem sobre a história de Feira de Santana, a partir do portal. “Todos tem o seu valor. O trabalho da Prefeitura pretende agregar algo ao que já vem sendo feito por outros interessados em preservar a memória da cidade, cada um com seus diferenciais, presentes em diversos canais de comunicação”.

Feira de Santana / 10 de setembro de 2019 - 06H 54m

Após 170 anos, Lucas da Feira terá direito a defesa assegurado pela Defensoria Pública

Robin Hood do sertão, escravo fugitivo em luta pelo abolicionismo ou apenas um assaltante aterrorizando a população? Lucas Evangelista, mais conhecido como Lucas da Feira, será o personagem da 7ª Edição do projeto Júri Simulado – Releitura do Direito na História, realizado pela Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE-BA). A simulação de julgamento acontecerá no dia 25 de setembro (quarta-feira), às 14 horas, no Centro Universitário de Cultura e Arte/UEFS, na cidade de Feira de Santana. Nas simulações, defensores públicos representarão o tripé da Justiça (defesa, acusação e julgamento) e atores serão especialmente convidados para assumirem o papel dos réus. Ficou a cargo do ator Jailton Nascimento, que integra a Companhia Cuca e do Grupo Recorte de Teatro, interpretar Lucas da Feira. Já o júri é escolhido por sorteio, entre as pessoas do público. A proposta do projeto é resgatar os direitos de personagens populares que historicamente não contaram com a prerrogativa de todo acusado: o contraditório e a efetiva ampla defesa. O evento é gratuito. Figura cuja própria vida é objeto de polêmicas historiográficas, Lucas da Feira foi um negro nascido escravo em 1807 na região que viria se constituir na cidade de Feira de Santana, razão aliás da sua alcunha. Por volta dos 20 anos, Lucas da Feira se liberta do cativeiro, juntando-se a um grupo de salteadores que mais tarde chega a ter cerca de 30 integrantes e que ele mesmo irá liderar. Roubando fazendeiros da região e imparável pelas forças policiais, a fama de Lucas da Feira se espalha, servindo de incentivo e estímulo para a luta negra contra a violência da escravidão, assim como razão de pavor e preocupação pelo status quo baiano da época. Preso em janeiro de 1948, Lucas da Feira acabará sendo condenado ao enforcamento no dia 25 de setembro de 1849. Lançado em novembro de 2016, a iniciativa realizou o julgamento de figuras simbólicas e relevantes para a história da Bahia e do Brasil. Luiza Mahin, Zumbi dos Palmares, índio Caboclo Marcelino, Cuíca de Santo Amaro, Carlos Marighela e até mesmo a Lei Áurea. O intuito do projeto é colaborar na construção pedagógica de compreensão da realidade, ao trazer à memória episódios que estruturaram o racismo e a invisibilidade de tradições e lutas de segmentos sociais, como da população negra e indígena.

08 de julho de 2020 - 22H 11m

Apoie o blog

O jornalismo cumpre uma função social e ela tem se tornado cada vez mais necessária nesse momento de constantes rupturas, releituras e transformações que vivemos.

O blogdovelame.com existe desde 2008 e tem atuado diariamente na produção de um jornalismo independente, baseado nos princípios investigativos da profissão. Sempre desafiou e nunca se intimidou com o poder. Denúncias de corrupção, desvio de verbas e fraudes foram publicadas com exclusividade ao longo desses 12 anos. Todo esse trabalho investigativo fez com que o veículo se tornasse referência para sites de notícias de todo estado da Bahia que constantemente reproduzem seu conteúdo.

Nesta nova fase, a jornalista Dandara Barreto e os jornalistas Elsimar Pondé e João Guilherme Dias se juntam a Rafael Velame para formar o time mais completo da comunicação local. Eles levam ao público, cada um ao seu estilo, versões reais e muitas vezes desconhecidas dos fatos com foco em denúncias e em busca de maior transparência nos gastos públicos. Entrevistas reveladoras com personagens feirenses e apoio aos artistas e cultura local são também pautas constantes.

Você pode contribuir com a manutenção e ampliação desse conteúdo tornando-se um apoiador. A sua ajuda oferece aos jornalistas a estrutura, os equipamentos, a liberdade editorial e o apoio jurídico necessário para que juntos possamos expor e combater as injustiças sociais e a corrupção em Feira de Santana.

A sua iniciativa pode mudar, para melhor, a nossa cidade. Clique AQUI e venha com a gente nessa jornada!

03 de outubro de 2019 - 06H 18m

Grupos da Bahia e Distrito Federal se apresentam no Fenatifs

O espetáculo “Ciranda, uma Aventura Folclórica”, do grupo Eureka, de Feira de Santana, abre os trabalhos do terceiro dia do Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira (Fenatifs), nesta quinta (3). Serão duas apresentações, às 8h30 e 10 horas, no Teatro Municipal Margarida Ribeiro. Para assistir basta levar 1 kg de alimento estocável.

A peça retrata uma discussão entre os personagens sobre o esquecimento das brincadeiras infantis, das cantigas de roda e boa parte do acervo do folclore brasileiro, a exemplo de parlendas e trava línguas também, deixadas de lado pelas crianças, hoje tão ligadas ao mundo tecnológico.

No Cuca, em duas sessões, às 14 horas e 15h30, o Grupo Teatral Preta (Madre de Deus – BA), apresenta o clássico “O Mágico de Oz”. Com 12 anos de experiência na cena baiana, atuando na dimensão das artes cênicas, o grupo tem mais de 20 espetáculos teatrais e de dança.

Ainda nesta quinta-feira, o grupo Cia. Lumiato (Brasília -DF) apresenta o espetáculo “2 Mundos”, com sessão às 15h30 e às 19h30, no Teatro do Sesc no Centro de Feira de Santana. Após o espetáculo, o grupo realiza o workshop “A Linguagem do Teatro de Sombras Brasileiro”, às 16h30 e 20h30.

O espetáculo 2 MUNDOS conta a história do encontro de duas culturas opostas, onde se revelam os sentimentos e motivações mais profundas da humanidade. Para ver as apresentações, os ingressos serão vendidos por R$ 10 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

De 1º a 12 de outubro, a Cia. Cuca de Teatro realiza a 12ª edição do Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana (Fenatifs) com espetáculos teatrais, circenses, de dança, teatro de animação, contação de histórias, recital de poesias e oficinas, entre outras ações.

Com mais de 50 apresentações, de grupos de diversos estados do país, o projeto conta com o apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia, e tem o intuito de movimentar, valorizar, debater e desenvolver o teatro para a infância e juventude.

Histórico

2019
set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2018
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2017
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2016
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2015
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2014
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2013
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2012
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2011
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2010
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2009
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2008
dez | nov