×
Bahia / 10 de junho de 2021 - 04h 57m

Mercado de pitaya ainda está aberto e Bahia pode ser pólo produtivo do país

Mercado de pitaya ainda está aberto e Bahia pode ser pólo produtivo do país
Produtores rurais, representantes de órgãos municipais e estaduais e pessoas interessadas no cultivo da pitaya participaram, nesta quinta-feira (10), de uma ampla explanação feita pelo engenheiro agrônomo Dejalmo Nolasco, o Professor Pitaya, sobre a viabilidade da cultura do fruto no semiárido baiano e em toda Bahia. Doutor em Ciências e Tecnologias de Alimentos pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), consultor e palestrante especialista no cultivo de pitayas para todo Brasil, Nolasco destacou o crescimento da demanda pelo produto e uma baixa produtividade ainda no país, o que faz da cultura pitaya uma atividade altamente rentável.

Segundo o especialista, é possível produzir pitaya em uma pequena área e o cultivo é fácil e lucrativo. Por hectare, afirmou Nolasco, são produzidas entre 30 e 60 toneladas, o que pode resultar em uma receita média de R$ 150 mil hectare/ano. “A produção da pitaya tem a cara da agricultura familiar. Mas há necessidade de uso de tecnologias que se torna mais viável quando há um agrupamento de produtores envolvidos. Isso pode alongar a produtividade e a comercialização da pitaya”, afirmou o professor, acrescentando que o mercado de pitaya ainda está aberto no Brasil e, de forma organizada, há muito o que crescer. Ainda de acordo com Nolasco, é muito importante ter um pólo de produção no país para atrair as grandes indústrias. Além do consumo do fruto in natura, há inúmeras possibilidades de beneficiamento, como para produção de gêneros alimentícios, a exemplo dos iogurtes, geleias e bebidas, e também para fins cosméticos e farmacológicos. O professor afirma que, da forma como a Bahia está começando neste mercado, de forma organizada, será possível um grande crescimento em pouco tempo.

Presente no evento, o secretário de Agricultura do Estado da Bahia, João Carlos Oliveira, também agrônomo, ressaltou as vantagens do Brasil e da Bahia no campo da agricultura. “Temos uma coisa que nenhum outro país tem, que é luminosidade todo dia, capacidade de ampliação de área, capacidade de irrigação que poucos países têm, além da própria identificação muito forte com a agricultura”, disse. Oliveira se comprometeu a incentivar a cultura da pitaya no estado e acrescentou que, inclusive, é uma orientação do governador Rui Costa a diversificação da produtividade agrícola. “Vamos buscar a construção coletiva, junto com as secretarias de Desenvolvimento Econômico, Desenvolvimento Rural, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, reunindo técnicos, agricultores e lideranças para buscar o crescimento da cultura”, declarou.

Experiências

Produtor de pitaya, Rafael Rodrigues, relatou, em participação no seminário, que deu início à cultura da pitaya no Sul do país e passou a comercializar para uma rede de supermercados, mas na região só era possível colheita de janeiro a maio e surgiu a demanda para todo o ano. Com isso, percorreu outros estados para descobrir um local que possibilitasse o cultivo ao longo dos 12 meses e se instalou em Belém do Pará. “Levamos o professor Dejalmo e começamos a desenvolver essa cultura. Fizemos parcerias sólidas no Sul e em São Paulo. Hoje, os clientes ligam e a gente ainda não consegue atender a grande demanda”, frisou. Disse ainda que economicamente é uma fruta que está se diferenciando de outras pelo valor agregado para o produtor rural e que já há financiamento disponível no país para essa produção.

Produtor baiano de Senhor do Bonfim, Aparício Pelegrine Junior também contou sua experiência que começou com em julho de 2020 e no final do ano teve produção de cerca de uma tonelada, com comercialização no mercado local. Agora, Pelegrine diz que é o momento de preparar o pomar para a próxima safra e as expectativas são as melhores possíveis, para colheita e venda.

A cultura da pitaya no país acaba de ganhar mais força com a recente criação da Associação dos Produtores de Pitaya no Brasil, presidida por Afif Jawabri. Também presente no seminário, ele parabenizou o deputado pelo incentivo à produção da pitaya na Bahia. “O que vocês estão fazendo aí é justamente o que pensei em fazer no Pará. Vocês estão começando muito bem, do jeito certo, procurando orientação técnica”, valorizou.

Além da realização do seminário, Angelo sugeriu ao Governo do Estado que inicie estudos para difundir a cultura da pitaya na Bahia, e quer fazer novas ações para o incentivo dessa cultura agrícola. “Temos que pensar a médio e longo prazo, para construir uma cadeia produtiva e não deixar o pequeno produtor só”, frisou.

Mais sobre a pitaya

Fruto de várias espécies de cactos, a pitaya é nativa de regiões da América Central e México. Há três tipos: a branca, que tem casca rosa, é branca por dentro e a mais fácil de encontrar no Brasil; a vermelha, que tem uma cor rosa-avermelhado por fora, é rosa-vermelha-púrpura por dentro e também encontrada no Brasil; e a amarela, que tem casca amarela, é branca por dentro e mais comum na Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela. Além do consumo in natura, é usada para produção de sorvetes, saladas, vinhos e também cosméticos.

Outras informações sobre o fruto podem ser encontradas no canal Professor Pitaya (www.professorpitaya.com.br).

Histórico

2019
set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2018
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2017
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2016
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2015
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2014
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2013
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2012
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2011
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2010
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2009
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2008
dez | nov