×
Eleições 2020 / 22 de novembro de 2020 - 10H 54m

PSOL declara apoio a Zé Neto no 2º turno

O PSOL de Feira de Santana anunciou na manhã deste sábado (21) apoio à candidatura de Zé Neto no 2º turno das eleições municipais de 2020. O anúncio foi realizado através de coletiva virtual de imprensa, com a presença de Marcela Prest, candidata à prefeitura no 1º turno e presidenta municipal do partido, Jhonatas Monteiro, eleito para o cargo de vereador, e Kyrlian Lima, membro da direção executiva municipal partidária. A posição havia sido discutida e aprovada em plenária virtual de filiadas e filiados realizada na última quinta-feira. O partido fundamentou seu posicionamento na crítica à gestão de Colbert Martins e a todo grupo político ligado ao ex-prefeito José Ronaldo, que controla a prefeitura de Feira há mais de 20 anos e está no espectro político oposto ao do partido de esquerda.  O PSOL informou também que seu apoio não está condicionado ao recebimento de cargos ou qualquer tipo de vantagem política, e que não irá compor o governo numa eventual gestão municipal petista. Foram expostos também os pontos que o PSOL apresentou como compromisso programático a Zé Neto, à coordenação de campanha e à direção municipal do PT, relacionados à melhoria do transporte coletivo, da saúde pública, ampliação da oferta de creches e saneamento das áreas de lagoa.
22 de novembro de 2020 - 07H 09m

Pesquisa A Tarde aponta Zé Neto com 44%, Colbert 36%

A uma semana das eleições, o deputado federal e candidato do PT à Prefeitura de Feira de Santana, Zé Neto, aparece com 44% das intenções de voto, conforme levantamento de A TARDE/Potencial Pesquisa, contra 36% do prefeito Colbert Martins (MDB), que tenta reeleição. O resultado coloca os dois candidatos em situação de empate técnico, já que a margem de erro da pesquisa é de quatro pontos percentuais.

No total, 12% dos eleitores de Feira de Santana consultados disseram que ainda não sabem em quem vão votar, 4% pretendem anular o voto, 2% não quiseram responder e 2% disseram que votarão em branco.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BA-05963/2020. Foram entrevistados 600 eleitores entre os dias 17 e 20 de novembro. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro é de quatro pontos percentuais.

“O que a gente vê, apesar da diferença de 44% a 36%, é que existe um empate técnico, porque os resultados podem ser iguais em algum momento visto que a margem amostral é de 4 p.p. O número no limite mínimo de Zé Neto (40%) e no máximo de Colbert (40%) são iguais, mostrando um empate técnico e que a disputa está acirrada e aberta. Porém, com uma tendência de vitória neste momento para Zé Neto”, avalia o diretor do instituto Potencial Pesquisa, o estatístico Zeca Martins.

Dos 44% que confirmaram votar em Zé Neto (PT), 93% pontuaram estarem certos de sua decisão, entretanto 7% ponderam que poderão mudar de ideia até o dia 29 de novembro. Dos 36% que confirmaram o voto em Colbert Martins (MDB), 86% disseram que não vão mudar o seu voto até no segundo turno, 13% avaliaram que poderão mudar de escolha até a hora de votar. Dos 4% de eleitores que prometeram anular o voto, 10% ponderam que podem voltar atrás.

Somando os eleitores que não sabem em quem irão votar, 12%, e os que não quiseram responder, 2%, o valor chega a 14% dos entrevistados, dado que para o estatístico da Potencial Pesquisas chama atenção. “Temos um pouco mais de três quartos que estão decididos em quem irão votar, com um voto mais cristalizado, até porque já estamos no segundo turno, mas quase 15% ainda podem decidir em quem votar ou se irão votar. Isso deixa o cenário sem uma definição clara”.

Dos 600 eleitores ouvidos em diversas localidades do município, inclusive da zona rural, 93% disseram ter interesse em ir às urnas no segundo turno, 4% afirmaram não saber, 2% garantiram que não irão votar e 1% não quiseram responder.

Gênero

No recorte por gênero, a tendência de voto entre os eleitores do sexo masculino nos candidatos a prefeito de Feira aponta um empate técnico dentro da margem de erro, com 44% dos eleitores consultados apontando o deputado federal petista como possível escolha e 39% sinalizando que podem optar pelo emedebista.

Entre as mulheres o cenário é favorável ao candidato do PT, já que 45% disseram ter uma tendência em votar em Zé Neto (PT), e 33% em Colbert Martins (MDB). Entre os 12% de eleitores indecisos, o percentual de homens é de 9%, o de mulheres é de 15%.

“A tendência de vitória de Zé Neto entre as mulheres é mais evidente do que entre os homens. O que significa isso? A diferença de voto de Neto para Martins, entre as mulheres, é de 12 pontos acima da margem amostral, coisa que não acontece no masculino, onde a disputa está apertada. O percentual das eleitoras indecisas é maior do que os eleitores, e se elas decidem votar em Zé Neto, ele encaminha bem sua vitória já que as eleitoras são maioria no município”, explica Zeca Martins.

21 de novembro de 2020 - 16H 11m

A história que não querem te contar – ou que você não quer ouvir.

Por Daniele Britto*

Gostaria de compartilhar um pouco da pesquisa na qual venho me dedicando nos últimos dias. Meu objetivo era compreender os últimos 100 anos da história política de Feira de Santana e como se forja a nossa percepção sobre o assunto. Mas, nem mesmo este intervalo centenário na linha do tempo da nossa história foi capaz de me fornecer respostas. Fui mais além.

Retrocedendo o marco existencial romantizado da fundação da cidade que tem o casal Ana Brandôa e Domingos Barbosa de Araújo como protagonistas, adentramos uma seara inóspita, praticamente desconhecida pela maioria de nós. Há alguns dias busco trabalhos acadêmicos e bibliografias perdidas sobre o nosso territórios, para tentar entender como viemos parar aqui nessa demarcação temporal que conhecemos como “hoje”.

Às vésperas de uma eleição para o segundo turno, eu quis compreender do que, de fato, se tratavam os principais argumentos dos dois candidatos ao pleito: o que seria “mudança” e o que representaria a “continuidade”? Quem são estes personagens da disputa e o que move as suas ideias? É o que pretendi descobrir.

Em uma dissertação de mestrado acerca do período colonial em Feira de Santana, a pesquisadora escreveu uma frase que me marcou profundamente: “uma das tarefas do historiador é recuperar a história, inclusive os seus silêncios”. A partir disso entendi que, neste momento, precisamos estar atentos mais sobre o que [os nossos candidatos] NÃO estão falando do que com o que é efetivamente dito.

Li sobre as políticas de expansão de Portugal no Século XV, e relembrei que aos donatários das capitanias hereditárias eram dados os poderes de: ministrar a justiça, distribuir terras de sesmarias, arrecadar os dízimos e fundar povoações. Isso é tornar-se o velho e conhecido “dono da porra toda”. Para nós, dois nomes importam: Francisco Dias d’ Ávila e Antônio Guedes de Brito. Esses dois daí eram donos de tudo. E todos.

Feira foi desmembrada de Cachoeira, mas era muito maior do que é hoje. Curiosamente, até Santa Bárbara fazia parte do município e eu não disse que isso significa nada. Talvez subliminarmente, quem sabe? Li sobre gado. Muito gado pra pouquíssimos proprietários. Fazendas cresciam, impostos eram gerados e pagos à Coroa Portuguesa mas, nem tudo eram flores: os negros fugidos e os índios rebeldes criavam problemas. Muitos problemas.

Índios e negros representavam ameaça à colonização e consequentemente, ao progresso e ao desenvolvimento. E isso justificava a captura destes indivíduos, pois, era justo e necessário frear quem impede o progresso. E é a partir daqui que a história de Feira de Santana é contada de três maneiras diferentes: pela tendência tardicional dominante, que foca no casal Araújo e Brandoa; uma intermediária, que fala sobre o casal mas lança algumas tímidas críticas e, por último a tendência considerada polêmica, pois coloca holofotes em um nome que pouco ouvimos: João Peixoto Viegas, um sertanista e abastado proprietário de terras. Homem que sabia caçar negro escondido e índio bravo; que multiplicava  seus domínios – e seu gado – como mágica – e com violência. Não era um bom gestor e sim um exímio explorador. Nem preciso dizer que pulei tudo e me voltei para a versão polêmica que tinha como principais fontes Godofredo Filho e o Monsenhor Renato Galvão.

Pra facilitar, um resumo: mesmo na versão mais polêmica da história de Feira, as relações entre poder e memória se resumem a homens brancos e a forte e decisiva participação da igreja cristã em tudo. De volta ao presente, pergunto: ate onde sua memória alcança, já foi diferente? Hoje está sendo diferente? 

Os personagens apagados e silenciados de ontem permanecem, hoje, os mesmos. Mais de 400 anos depois, é só olhar para Feira de Santana e ver isso nitidamente. Feira foi construída à base de exploração, favorecimentos de determinados grupos e extermínio de quem valia menos que pasto. A tal “mudança”, da forma que deveria ser, talvez nunca chegue e a “continuidade” só continuará beneficiando os de sempre. 

Se não quiser seguir o meu exemplo e futucar a linha do tempo entrecortada da história de Feira, analise, ao menos, os últimos cinquenta anos: é uma dança das cadeiras com convidados limitados, sendo que alguns deles ao tempo que são inimigos, outra hora, de acordo com os seus interesses, então do mesmo lado da arquibancada torcendo para o “ex-amigo” quebrar a perna.

Já tive firmes convicções políticas, mas hoje prefiro manter apenas as ideológicas. Sempre optei pela minha liberdade e me recuso a me filiar a qualquer grupo que me imponha condições cerceadoras ou me faça sentir uma palhaça ou marionete desesperada. Minha crítica não está à venda e, da mesma forma, os meus elogios.

É por isso que o meu voto será uma conta simples a qual deixará tranquila a minha consciência e a minha dignidade: quem mais se aproxima do exímio exterminador de índios e empreendedor do ramo de navios negreiros e tráfico de escravos João Viegas, o “rei” do fumo e detentor de um dos maiores latifúndios do Brasil, não terá o meu voto. 

E você? Já conseguiu enxergar a história que não querem te contar ou vai optar por ser o gado desse latifúndio?

*Daniele Britto


Advogada e Jornalista
Mãe, feminista, antirracista e aliada na luta contra a homotransfobia
Pesquisadora no grupo Corpo-território Decolonial (Uefs))
Mestranda PPGE/Uefs

Eleições 2020 / 21 de novembro de 2020 - 10H 42m

Colbert Martins: “A gente vai julgar novamente o PT”

Colbert Martins: “A gente vai julgar novamente o PT”
Foto: Bnews

O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (MDB), afirmou em entrevista ao site BNews que o segundo turno no município servirá como um novo julgamento para o Partido dos Trabalhadores. O emedebista disputa o pleito de 2020 com o deputado federal Zé Neto (PT).

“Nós vimos o resultado do PT no encolhimento imenso em várias regiões, inclusive na Bahia. Vimos em Salvador também. Essa polarização agora leva a população a optar: ou fica com o PT – nós vimos o resultado do PT no Brasil nos últimos anos – ou então fica com o nosso time que eu acho que é o melhor para Feira de Santana”, declarou.

O gestor também não teme que o índice de abstenção na próxima votação do dia 29 de novembro seja ainda maior do que foi no primeiro turno – mesmo sem a eleição de vereadores, que acabam impulsionando a participação do eleitorado. Para Colbert, o município vive um momento de polarização política assim como o Brasil e isso pode motivar os cidadãos a irem às urnas.

Ainda na entrevista, ele revela propostas e comenta sobre os apoios que vem recebendo.

Clique AQUI para ler a entrevista completa. 

Eleições 2020 / 20 de novembro de 2020 - 19H 12m

Em Feira, Rui anuncia adesão de novos aliados para campanha de Zé Neto

“Eu e toda população queremos mais para Feira. E para isso, chegou a hora de darmos oportunidade para Zé Neto e Roque Santos, que têm coragem e vontade de trabalhar, fazerem uma revolução na cidade para cuidar de gente!”. A declaração é do governador Rui Costa, durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta sexta (20), no Hotel Caju de Ouro, com os aliados políticos que aderiram à candidatura de Zé Neto para prefeito de Feira de Santana e de Roque Santos para vice-prefeito. Somam forças ao grupo que defende uma mudança no cenário político da cidade o ex-deputado estadual Targino Machado, o deputado estadual Ângelo Almeida, o vereador Beto Tourinho (ex-candidato a prefeito), o ex-candidato a vice-prefeito Deibson Cavalcante e os vereadores Alberto Nery, Isaías de Diogo, Zé Filé, João Bililiu e Gilmar Amorim. Além destes, também integram o grupo dos aliados os vereadores recém-eleitos Silvio Dias, Professor Ivamberg, Galeguinho SPA e o suplente Júnior Cross; o ex-vereador Roque Pereira; os ex-candidatos(as) a vereador(a) Neto 10, Raimundão, Pastor Gerson Andrade, Zé Painha, Emerson Minho, Nego Eder, Hildo Santos, Júnior Barreto, Saulo Rangel, Dra. Vera Lúcia, Rosildo Silva, Luiz Carlos, Jefinho Andrade, Alan Vitória e Israel Cabral. Os aliados fazem parte do PT, PP, PDT, PCdoB e Avante, que formaram a coligação “A Mudança Que Feira Quer” no primeiro turno, somando 120 candidatos(as) a vereador(a); PSB, MDB, PSD, PV, PSL, PTB, DC, Cidadania, Patriota e Solidariedade. Reafirmando que está “110% com Zé Neto”, o ex-deputado Targino Machado disse que já no primeiro turno destas eleições, “votei em Zé Neto para prefeito”. “Há dois anos, eu já tinha escolhido em quem não votaria. Eu não votaria na continuidade do que representa tudo de ruim para essa terra que escolhi viver e amar”. Neste segundo turno, segundo Beto Tourinho, “Zé Neto representa a esperança do progresso, do desenvolvimento, do resgate da dignidade do homem do campo, da evolução das classes empresariais, do reaquecimento das indústrias, da valorização dos ambulantes e de quem compõe a história da cidade”. E completa: “O governador não veio à Feira somente para dar apoio a Zé Neto, mas sim para assinar a ordem de serviço para recuperação da cidade. E aqui estão os operários dessa grande obra”. Ao agradecer a chegada de novos aliados à sua campanha, Zé Neto destacou que “Feira precisa respirar novos ares e modernizar sua administração, com aqueles que estão dispostos a cuidar mais da nossa gente e da cidade”. “Como diz o nosso governador Rui, a correria vai ser dobrada com Roque e todos aqui querem construir conosco uma cidade digna da sua população morar!”, disse. Também marcaram presença no encontro o presidente do PT na Bahia, Éden Valadares, o presidente municipal do PT (em exercício), Gerinaldo Costa, os deputados estaduais Robinson Almeida (coordenador da Campanha de Zé Neto e Roque Santos) e Rosemberg Pinto (líder do Governo na Alba), o prefeito de Santo Estevão e presidente do Consórcio Portal do Sertão, Rogério Costa, o secretário estadual da Educação, Jerônimo Rodrigues, a ex-deputada Eliana Boaventura, dentre outras autoridades políticas.

Feira de Santana / 20 de novembro de 2020 - 18H 46m

Prefeitura diz que danos causados pela chuva foram pequenos em obras que estão sendo executadas

A Prefeitura de Feira de Santana em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira(20) informou que os transtornos ocorridos no centro da cidade, por consequência de fortes chuvas, são decorrentes da obra do projeto Novo Centro. O secretário de Planejamento Carlos Brito informou que obra está em execução e devido a enxurrada alguns pontos cederam. Ainda de acordo com Brito, o fato ocorreu porque a drenagem nesses locais ainda não está concluída. A informação, segundo Britto, é do diretor-técnico da BSN, Ubaldo Rocha – a empresa é a responsável pelo serviço.

Durante entrevista, o representante da empresa afirmou que o problema foi resolvido em cerca de três horas, e o tráfego foi reaberto. Um ônibus, um caminhão e um trator ficaram presos após o piso ceder em locais onde o asfalto foi colocado provisoriamente, cuja rede de drenagem ainda não estava concluída. A empresa disse também que os locais onde a obra está mais adiantada e que consequentemente a drenagem já foi concluída, não foram registrados problemas. Ubaldo Rocha reiterou que o problema aconteceu devido ao acúmulo das água na tubulação, mais o carreamento de material levado pela chuva que caiu durante horas na madrugada, que aumentou pressão nos tubos ainda não ligados aos entroncamentos que dão destino final à água.

“São situações que podem acontecer durante a execução da obra devido as chuvas”, explicou o diretor. Ele ainda disse que não houve descontinuidade do serviço. “Em seis meses de trabalho, este foi o primeiro incidente registrado”.

O secretário de Planejamento, Carlos Brito, disse que a Prefeitura de Feira de Santana ainda não recebeu a obra, mas que está acompanhando a execução do projeto que vai mudar a estrutura de todo o centro comercial da cidade.

CLIQUE AQUI e veja algumas fotos e vídeos dos danos causados pela chuva. 

Eleições 2020 / 20 de novembro de 2020 - 08H 20m

Targino anuncia apoio a Zé Neto no segundo turno

O ex-deputado estadual Targino Machado anunciou o candidato que terá seu apoio político no segundo turno da eleição municipal, em Feira de Santana. Para surpresa de muitos, o político do Democratas anunciou apoio ao deputado federal, Zé Neto, candidato do PT. Targino e Zé Neto travaram inúmeras brigas ao longo dos anos e agora se juntam para tentar tirar o grupo comandando pelo ex-prefeito José Ronaldo do poder. Targino afirmou que conversou com o governador Rui Costa antes de tomar a decisão.  “Se vocês observarem as minhas narrativas dos últimos 24 meses, vocês vão perceber que entre mim e Zé Neto, foram diminuindo os abismos de sensos e construindo consensos. Eu já tinha escolhido um candidato para não votar de jeito nenhum que era o prefeito Colbert, apoiado pelo ex-prefeito José Ronaldo, porque eles querem se encastelar em um bem que não é deles. Quem quiser castelo para morar que construa. O tempo do feudalismo e da escravidão já passou e Feira de Santana não pode ficar escravizada numa pauta que não é libertária”, argumentou o ex-deputado. No primeiro turno, Targino apoiou o candidato do Podemos, Carlos Geilson, que ficou em quinto lugar.

Eleições 2020 / 19 de novembro de 2020 - 18H 21m

Dayane Pimentel e Carlos Geilson se posicionam no segundo turno das eleições

Na manhã desta quinta-feira (19), a deputada federal Dayane Pimentel (PSL) anunciou durante entrevista coletiva que se manterá neutra no segundo turno das eleições municipais em Feira de Santana. A candidata derrotada disse que seus eleitores são livre para fazer qualquer escolha, no entanto, declarou que não vota em Colbert Filho (MDB).
“Meus eleitores são livres para votar em quem quiser, mas quando eu me candidatei, eu propus uma mudança, então, em Colbert, eu não voto”. Revelou.
Dayane Pimentel foi a quarta candidata mais votada pelos eleitores feirenses, com quase 14 mil votos.

No fim da tarde, foi a vez de o ex-deputado estadual Carlos Geilson(PODEMOS) fazer o anúncio do seu apoio. Também em coletiva de imprensa, o radialista declarou que vai apoiar o candidato Colbert Filho (MDB). O anúncio oficializa o retorno de Geilson ao grupo do ex-prefeito José Ronaldo de Carvalho.

Eleições 2020 / 19 de novembro de 2020 - 09H 54m

Um dos nove mais votados e não reeleito, vereador defende mudanças na legislação

Mesmo tendo obtido 3.920 votos, representando a 9ª maior votação entre os mais de 600 candidatos, o vereador Lulinha (DEM) não conquistou a reeleição para a próxima legislatura, no período 2021-2024, que se inicia em 1º de janeiro. Em pronunciamento na Câmara, ele  disse que o fim das coligações partidárias para a eleição proporcional traz um prejuízo a candidatos bem votados, como foi o seu caso neste último pleito. Faz um apelo a deputados e senadores para que sejam revistos os critérios. “Não perdi a eleição por falta de votos, mas porque o meu partido, sozinho, não conseguiu obter uma quantidade  de votos para eleger mais vereadores”. Defende que sejam eleitos os os mais votados, independente de quais partidos representem os candidatos. Aprovada em 2017 pelo Congresso Nacional, a emenda que veda as coligações partidárias nas eleições proporcionais determina que os candidatos a vereador concorram pela própria legenda e não como membros de uma aliança. Desta forma,  não é mais possível fazer a transferências de votos de um partido para outro. “Acho que é uma experiência que não deu certo”, opina Lulinha, para quem a reforma eleitoral é prejudicial principalmente aos vereadores que tem  mandato e lutam para mantê-lo por mais uma legislatura. No caso de Feira de Santana, a renovação atingiu cerca de 70% dos vereadores – apenas oito lograram êxito em sua tentativa de reeleição.

Eleições 2020 / 18 de novembro de 2020 - 20H 37m

Arimateia anuncia apoio à reeleição de Colbert

O candidato do Republicanos fez o anúncio em um evento realizado no hotel Acalanto, nesta quarta-feira (18).  José de Arimateia é deputado estadual e obteve 14.012 votos no primeiro turno.

Histórico

2019
set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2018
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2017
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2016
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2015
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2014
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2013
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2012
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2011
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2010
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2009
dez | nov | out | set | ago | jul | jun | mai | abr | mar | fev | jan
2008
dez | nov